Lumi Coworking no Perdidas no Sul

Dentre as novidades do ultimo mês, uma delas é que Pelotas recebeu mais um espaço de coworking! No dia 24/08, o Lumi Coworking abriu suas portas na cidade! Pra quem não conhece, um coworking é um espaço de convivência aberto para trabalhadores autônomos que estão cansados de trabalhar no ambiente de casa. O primeiro espaço como este surgiu em 2005 nos Estados Unidos e está no Brasil desde 2008. A proposta do lugar é justamente proporcionar para estes um novo modelo de trabalho, envolvendo pessoas, trocas de informações e ideias, compartilhamento de vivências e experiências, networking e muito companheirismo entre os profissionais de diversas áreas.

Segundo o último Censo dos portais Ekonomio/Coworking Brasil, existem cerca de 240 espaços como este ativos no páis. Além da estrutura fisico-emocional que o lugar proporciona, é fornecido também de maneira geral nestes ambientes: internet sem fio, salas para reunião, impressoras, armários, cozinha, banheiro, telefone, recepcionista e segurança.

Achei o assunto muito interessante e devido a isso decidi entrevistar Luiza Hentz, sócia e proprietária do espaço Lumi. Acompanhe:

– Como surgiu a ideia de abrir um Coworking?

“Conversando com uma amiga (atual sócia) sobre as dificuldades da profissão de arquiteto, principalmente no que se refere a falta de interações entre profissionais de diversas áreas e também a falta de um espaço adequado de trabalho, divertido, diversificado, com possibilidade de interagir quando necessário e também de ser privado quando necessário… aí começou surgir a ideia do coworking, nunca tivemos vontade de alugar uma salinha de abrir um escritório de arquitetura, isoladas com nossos estagiários…gostaríamos de interagir, trazer gente com cabeça aberta, ideias diferentes, como fazer isso?!…ai o conceito coworking caiu como uma luva!”

– O que te inspira a arriscar na proposta do coworking?

“O que nos inspirou foi nossas necessidades! Após longo estudo do mercado, nessa área, descobrimos que em 2014 esse mercado cresceu 300% pelo mundo… fizemos workshops com o Sebrae, buscamos ler muito na internet e também visitamos alguns coworking para sentir como era essa experiência… descobrimos da demora de chegar esse conceito no interior… começamos analisar as necessidades locais das pessoas… Dessa forma aos poucos vimos que era um sonho super viável pra realidade de Pelotas.”

– Quem pode ter acesso ao ambiente? Existe um público alvo?

“Todos podem ter acesso, seja para se tornar um coworker, seja para colaborar com ideias e produtos, seja para usar a sala de reunião, fazer seminários, cursos e afins… a pessoa faz um pacote ou paga pra usar horas aqui na empresa, sempre deve trazer seu laptop, o restante da estrutura nós oferecemos (internet, café, cadeiras de escritório, mesa, materiais, impressão, telefone, endereço para correspondência, etc). Público alvo, é mais complicado citar, não queremos limitar as pessoas a usar o espaço. Pessoas que trabalham como autônomas, sócios de empresas starups, representantes de produtos, pessoas que ministram curso…tudo isso se refere a todas as áreas de atuação do mercado!”

– Como tem sido a aceitação do público? A procura esperada está sendo alcançada?

“As pessoas que nos procuram já conhecem um pouco do assunto, não chegam sem nenhuma informação… Esse outro púbico, sem informação, percebemos que não sabem do que se trata e mesmo a gente explicando continuam sem entender (hahaaha), precisam ver pra crer…em seguida acham o máximo! A procura está sendo aquela esperada sim, aos poucos vamos investir mais em estratégias de marketing para alcançar um público maior e mais diversificado.”

– Quais os planos da Lumi para o futuro?

“Planos, satisfazer o máximo das necessidades das pessoas, interagir, saber ouvir e suprir deficiências do nosso espaço ou até mesmo do atendimento. Pretendemos expandir a Lumi, ter outros escritórios, dentro ou fora da cidade ou do estado. Quem sabe tornar isso uma franquia!”

Esse post é uma replicação do blog Perdidas no Sul.

Deixar uma resposta