Parque Una: HUB Corporativo em Pelotas-RS

Com o HUB no Parque Una, prédio de escritórios, Idealiza Urbanismo aposta mais uma vez na inovação para abrir mercados

HUB Corporativo em Pelotas
HUB Corporativo em Pelotas

Tempos de crise retraem o consumo e os negócios. Navegando contra a corrente, nos últimos anos uma empresa tem quebrado essa lógica pela ousadia e por apostar na resposta dos consumidores da cidade. Pelotas também não é o melhor mercado para investimentos imobiliários, mesmo assim a Idealiza Urbanismo tem investido forte no lançamento de uma sucessão de empreendimentos inéditos, todos de grande porte.Na próxima sexta-feira, o sócio da empresa Fabiano de Marco apresentará a corretores a primeira das sete torres previstas para o mais recente empreendimento, o HUB Corporativo, situado dentro do Parque Una, também concebido pela empresa, numa região que por décadas permaneceu virgem à expansão urbana, às costas do Shopping Pelotas, a meio caminho entre a cidade e as praias.

Com investimento de R$ 180 milhões em obras, o HUB conserva o padrão dos primeiros projetos da empresa, os condomínios fechados Lagos de São Gonçalo, Veredas, além do aberto Parque Una: oferece uma infraestrutura que alia conforto, bem-estar e maior segurança aos moradores dos residenciais e aos profissionais dos escritórios, como, por exemplo, a possibilidade da prática de exercícios físicos do dia à noite nesses ambientes.

O HUB será formado por um conjunto de sete torres de 11 a 20 andares destinadas a escritórios comerciais, com salas a partir de 30 metros quadrados. Em torno das torres, haverá uma área de convivência em rua coberta de 600 metros de extensão, com lojas nas duas bandas, um centro de inovação tecnológica (laboratórios conveniando universidades a empresas de tecnologia), bicicletário, vestiário com ducha para quem faz exercícios e estacionamento rotativo para 500 veículos.

QUALIDADE DE VIDA COM PREÇO ACESSÍVEL

A primeira torre terá 140 salas comerciais, e o preço do metro quadrado, segundo Fabiano, será inferior ao cobrado no centro da cidade. Qualidade de vida com preço acessível é, por sinal, o mote publicitário do empreendimento, que agora disputa o mercado de office.

“Pelotas não é de fato o melhor mercado para investimentos imobiliários como os que temos feito. Mas somos de Pelotas. Nasci aqui, nunca morei fora. Meu sócio (Ricardo Costa) vive em São Paulo, mas tem a família aqui. Ele só se mudou para lá porque fez concurso público”, diz Fabiano.

Acrescenta: “Nós investimos aqui porque acreditamos que empreender na cidade onde nascemos é uma forma de ser mais assíduo na família. Esta é a nossa filosofia. Certamente existem melhores mercados, mas em nenhum deles temos a qualidade de relacionamentos que temos em Pelotas. Isto leva tempo para conseguir e não tem valor que pague”.

Mas não houve estudo de viabilidade dos negócios? Fabiano diz que sim. “Sempre contratamos pesquisas antes, acontece que nossos maiores cases contrariaram as pesquisas”. Sério? “Sim. Em 2009, a pesquisa apontava que não havia mercado para meros 354 lotes. Mesmo assim, a partir deste ano nós ofertamos 1300 lotes em 36 meses e comercializamos a esmagadora maioria”. Foram 354 lotes no Lagos de São Gonçalo, 454 no Veredas e 550 no Alphaville. Juntos, eles somam 1.200.000 metros quadrados de área urbanizada entre 2011 e 2014.

Funcionário trabalhando no lançamento do HUB

INOVAÇÃO CRIA NECESSIDADES

Como explicar o sucesso de vendas? “Nosso mercado não é o de quem procura o primeiro imóvel, mas de quem migra dentro da cidade. Esses migrantes são pessoas que moravam em apartamentos de 200 metros quadrados na avenida Dom Joaquim e, em princípio, jamais pensariam em se mudar. Mas mudaram de opinião quando surgiram os condomínios fechados”.

Para Fabiano, quando a inovação chega, ela gera novas necessidades e mercados, mesmo dentro de uma mesma cidade. “A experiência nos mostrou que, quando se oferece qualidade, os resultados vêm. Por isso, gostamos de dizer – o que é absolutamente verdade – que gostamos mais de pesquisas qualitativas do que quantitativas”.

Em entrevista ao site, nesta terça-feira (21), Fabiano contou: “Hoje cheguei em casa depois de um dia intenso, com agenda cheia, e corri três quilômetros com minha namorada no condomínio (Lagos), às 20h. Jamais teria feito isto fora daqui. É uma nova forma de viver até outro dia impossível em Pelotas. Havia uma demanda por condomínios fechados, nós investimos nela e tivemos resultados”.

Já o Parque Una é um modelo diferente. Ele segue a filosofia do arquiteto Jan Gehl, mundialmente conhecido. É um espaço aberto, sem muros, como o HUB, mas com uma estrutura que induz as pessoas a desfrutarem de confortos in loco, sem que necessitem obrigatoriamente deixar esses espaços, onde são previstas a criação de associações de bairro para que as pessoas discutam aperfeiçoamentos.

Com seus projetos, a Idealiza praticamente esgotou as áreas para grandes condomínios fechados e parques como o Una, em Pelotas. Hoje em dia encontrar áreas para empreendimentos assim é mais difícil que descobrir petróleo e diamantes. Traduzindo: a empresa enxergou um nicho de consumo e o ocupou naquilo que se pode chamar de negócio de uma vida.

Área destinada ao HUB dentro do Parque Una

Fonte: http://www.amigosdepelotas.com.br/blog/com_o_hub_predio_de_escritorios_idealiza_urbanismo_aposta_mais_uma_vez_na_inovacao_para_abrir_mercados.html

Deixar uma resposta